Home MUSEU Cultura Chinesa Chang E Voa Para a Lua

Chang E Voa Para a Lua

As festas procedem dos mitos, ou vice-versa, os mitos geram as festas. Isto ocorre em todos os países. A China não é uma excepção.

Num país de civilização milenar como a China, todas as festas, sobretudo as tradicionais, têm origem em tradições antiquíssimas ou lendas belas e comoventes.

As festas tradicionais chinesas são geralmente determinadas segundo o calendário lunar. Hoje é a Festa do Meio Outono neste país, e vou falar um pouco sobre a Festa.

Numa civilização milenar da Nação Chinesa, as festas tradicionais têm uma simbologia rica e poderosa.

Dia 15 de Agosto, Festa do Meio Outono

No dia 15 de Agosto segundo o calendário lunar, os chineses comemoram a Festa do Meio Outono que tem origem numa belíssima lenda: Chang E voa para a Lua.

Na noite desse dia, quando a lua cheia levanta-se no horizonte , os velhos, junto com seus filhos e netos, sentam-se ao redor de uma mesa no pátio e contemplam a Lua, comendo melancia, maçã, uva e outras frutas, assim como yuebing, um tipo de bolo especialmente para esta festa.

Nestas ocasiões, os velhos costumam contar a história de Chang E, que voou para a Lua.

Segundo uma tradição, Chang E, sobrinha do Imperador Celestial, casou-se com Hou Yi, outra divindade do céu, e o casal levava uma vida feliz. Naquele tempo, havia dez sóis no Céu. E na terra, as plantas, queimadas, murcharam, reinavam as feras e os bichos venenosos.

O imperador celestial decidiu enviar Hou Yi para ajudar a humanidade a remover nove dos dez sóis do céu e aniquilar as feras e bichos venenosos na superfície da terra. E Chang E acompanhou seu marido. Ao chegar à terra, Hou Yi acomodou sua esposa numa gruta da montanha e foi combater os sóis com arco e flecha e aniquilar as feras e os bichos com sua espada.

Sozinha na gruta, Chang E sentia-se muito solitária. Um dia, ela percebeu que só restara um sol no céu e concluiu que, cumprida a missão dada pelo imperador celestial, Hou Yi voltaria logo. Sem conter a alegria, começou a dançar, queria voar, pois quando vivia no céu, ela viajava entre as nuvens. Mas ali não podia. Ficou aflita.

Quando voltou à gruta, Hou Yi viu que sua mulher chorava e perguntou o que lhe acontecera. Chang E contou o motivo. O marido consolou-a dizendo: "Não fique triste. A imperatriz-mãe do Oeste tem remédio de imortalidade. Vou pedir-lhe tal remédio para nós. Viver no mundo como imortais é muito melhor que levar uma vida solitária no céu."

Chang E concordou e parou de chorar.

Superando mil e uma dificuldades, Hou Yi chegou ao Palácio da Imperatriz-mãe do Oeste, situado em cima da Cordilheira Kun Lun.

Inteirada do caso, ela disse: "Quem toma uma pílula do meu remédio, fica imortal; quem toma duas, pode voar para o céu e tornar-se divindade."

Como havia decidido ficar na terra para continuar a ajudar a humanidade, Hou Yi pediu duas pílulas, uma para ele próprio, e a outra, para sua mulher Chang E.

Depois de uma viagem de alguns meses, Hou Yi retornou à gruta, levando as duas pílulas.

A Chang E ficou muito contente e queria tomar o remédio imediatamente, mas o marido a impediu, dizendo: "Paciência. Tomremos amanhã, dia 15 de Agosto, com a Lua mais cheia e brilhante."

Alta noite, a Chang E não conseguia dormir. Pensava: uma pílula para ser imortal, e duas para voltar ao céu e levar uma vida de divindade. Por um impulso do momento, ela tomou as duas pílulas e saiu da gruta. A Lua estava lá no céu, redonda e brilhante, como um prato de prata. Chang E sentia-se leve, e começou a voar para o céu.

Inteirado do retorno de Chang E, o imperador celestial baixou uma ordem, dizendo que por ter voltado ao céu sem autorização, Chang E é condenada ao exilo na Lua de onde jamais poderia sair.

Sem se atrever a contrariar a ordem do imperador celestial, Chang E foi morar na Lua onde passou a levar uma vida triste, solitária, mordida de remorsos, acompanhada por um coelho branco que pila ervas medicinais, um sapo e um grande loureiro.